Raia Drogasil olha em genéricos e no norte do país | Panorama Farmacêutico – Imã de geladeira e Gráfica Mavicle-Promo

FOTO: JOÃO VICENTE RIBEIRO • SÃO PAULO

Publicado em 01/11/18 às 05:00

Com uma visão a longo prazo, a rede de drogarias RaiaDrogasil a intenção de acelerar o aumento de suas vendas por meio de uma forte expansão na Região Norte do Brasil e da ampliação do portfólio de produtos voltados para a população de baixa renda.

“Temos mais de 200 lojas nas Regiões Norte e Nordeste do País. Se olharmos para o estado do Pará, já contamos com 15 lojas em seis cidades. No final de 2018, devemos chegar a 20 unidades e para o ano que vem, esse número deve chegar a mais de 30 negócios”, disse o diretor de planejamento da RaiaDrogasil, Eugênio de Zagottis.

Na mesma linha, o diretor-presidente da rede, Marcilio D’Amico Pousada, diz que a rede se adaptou à bandeira Farmasil para acompanhar esse crescimento. “Temos uma grande oportunidade. Nos demos conta de que formatos como o da Farmasil precisavam de uma atualização e decidimos trazer marcas como a Drogasil e Raia para assistir a estas aulas, com foco em produtos genéricos e um modelo de loja mais promocional”, afirmou.

O executivo ressalta que o foco em ações promocionais e política agressiva de preços baixos exigirá disciplina de gestão para pesquisar um forte retorno de ganhos de marketshare da empresa no ano que vem. De acordo com o relatório da rede, o negócio como um todo, alcançou uma participação de 12% no setor, depois de um aumento de 0,3 p. p. no terceiro trimestre de 2018, “em um cenário de concorrência.”

Por meio de teleconferência, realizada ontem (31), a empresa deu a conhecer os principais resultados operacionais no terceiro trimestre de 2018. Entre os destaques, está a abertura de 64 novas lojas em território nacional e a contração de 0,05 ponto percentual (p. p.) o lucro líquido do terceiro trimestre de 2018, quando comparada com o mesmo período do ano anterior, chegando a R$ 131,1 milhões.

Segundo o balanço, os ganhos foram afetados, em parte, por R$ 3,5 milhões em despesas classificadas como não recorrentes, as quais incluem a consultoria de planejamento estratégico (R$ 2,2 milhões).

No balanço, a companhia destaca que o “investimento significativo em genéricos mais baratos e grandes descontos, o que está resultando em um forte crescimento dos volumes em que defendemos a margem bruta”. A título de comparação, no terceiro trimestre de 2018, a margem bruta caiu 0,2 p. p. um ano, de R$ 1,1 mil milhões. “Esse trimestre foi particularmente difícil afetado pela forte base de comparação do ano passado”, afirmou Zagottis.

Embora a rede tenha sentido, os primeiros efeitos do novo posicionamento, o executivo defende que os resultados positivos desta política no horizonte de longo prazo. “Não vemos que a pressão na margem bruta dos genéricos. Conseguimos melhores negociações com os fornecedores e para manter a vantagem, com uma visão de longo prazo. Reinvestimos os ganhos com o self-service no projeto de pricing”, disse Zagottis, destacando o fato de que tais ações devem promover maiores níveis de competitividade e os ciclos de crescimento para o negócio.

Além disso, o executivo afirmou, “perceber” um crescimento de marcas populares” que antes não faziam parte do nosso sortido. Esta linha de produtos, também de acordo com ele, vem ganhando muita força e pode estar relacionada com os efeitos de uma crise económica prolongada no Brasil.

A janela de oportunidadePara a especialista em varejo farmacêutico Silvia Osso, a estratégia de expansão para as Regiões Norte e Nordeste do País pode ser um ativo para a empresa, tendo em conta que não há variedade de grandes players nesses lugares. “Há quatro anos, a única grande rede presente era da Pague Menos. Agora vemos mais concorrência”, disse Silvia.

Para a consultora, com a atuação de tais lugares, a RaiaDrogasil pode destacar e ganhar mais consumidores, por seu nível de profissionalização e eficiência no auto-cuidado e atenção. “O grau de organização das lojas da Drogasil e Raia é o mesmo em todas as unidades de negócio, desde lojas em bairros nobres até as operações no norte do Brasil”, disse ela.

Sobre as dificuldades na logística das regiões mais remotas, Silvia lembrou que a rede pretende abrir dois centros de distribuição no nordeste para garantir o abastecimento. Além disso, menciona-se a associação com os grandes distribuidores regionais, como outra opção de abastecimento eficaz.

Fonte: DCI

Fonte: panoramafarmaceutico.com.br/2018/11/01/raia-drogasil-veja-em-indeterminado-e-o-norte-do-pais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *